Doenças osteometabólicas

O termo “Doenças Osteometabólicas” refere-se a um conjunto de transtornos do metabolismo dos ossos em que ocorre perda da massa óssea, causando fragilidade aos ossos e aumentando a incidência de fraturas.

As doenças osteometabólicas são falhas do metabolismo: um desequilíbrio metabólico que afeta a saúde dos ossos.

O metabolismo é a reação química que acontece no corpo para garantir o fornecimento de energia. Se ocorrer alguma falha neste processo, vai resultar no comprometimento de alguma função do organismo e é preciso investigar.

Para funcionarem bem, estas estruturas esqueléticas estão em constante dinâmica entre o consumo da massa óssea e sua renovação. Uma falha faz com que o tecido ósseo não se renove na mesma proporção que se gasta, o que resulta na sua fragilidade.

Confira algumas das principais doenças osteometabólicas:

Muitos são os motivos para o desenvolvimento de doenças osteometabólicas. Entre eles, a hereditariedade, a deficiência de vitamina d, a baixa absorção de cálcio pelo organismo, desequilíbrio hormonal e até mesmo a falta de boas noites de sono, pois é neste descanso que o corpo humano libera o hormônio do crescimento (GH), responsável pelo remodelamento da massa óssea.

Por ser uma doença silenciosa, muitas vezes os pacientes desconhecem que têm o problema e descobrem por acaso, após sofrerem alguma fratura.

Causas

A doença está intimamente ligada à perda de massa óssea (diminuição do cálcio / vitamina D) no organismo.

Sintomas

Com poucos sintomas, os pacientes costumam descobrir a doença após a ocorrência de alguma fratura, por vezes espontânea, em um momento em que ela já se encontra em estágios avançados. Por isso a importância do exame de imagem chamado densitometria, exames de sangue e urina ao se suspeitar de Osteoporose.  A doença normalmente atinge a coluna, bacia, fêmur, radio distal e úmero proximal mas, pode estar presente em todos os ossos.

doenças osteometabólicas

Diagnóstico e tratamento

Para ajudar no diagnóstico, além de analisar o histórico de saúde do paciente, o médico(a) pode solicitar exames de imagem, como radiografia, densitometria óssea e cintilografia dos ossos e da glândula paratireóide.

Exames adicionais também podem ser necessários, para detectar níveis de vitaminas, minerais e hormônios no organismo.

Ainda não existe cura para as doenças osteometabólicas, mas com acompanhamento médico de rotina é possível controlar. O tratamento é multidisciplinar e pode envolver nutrição, atividades físicas, medicamentos e, em casos graves, cirurgia.

É possível prevenir doenças osteometabólicas?

A melhor forma de prevenção é um conjunto que abrange: atividades físicas, sol e acompanhamento médico.

A prática de atividades físicas regularmente, como 30 minutos de caminhada, já colabora para esta finalidade, pois a mecânica do exercício exige mais dos ossos e colabora com o seu remodelamento.

A exposição diária ao sol também é recomendada, para que o corpo faça a absorção da vitamina D. Cerca de 15 minutos por dia, sem protetor solar ou até a pele aquecer quando o sol estiver mais direto, normalmente é suficiente.

Agende uma avaliação em clínica de ortopedia especializada em Brasília / DF.

Muito bom! Você leu todo o conteúdo. Gostou? Divulgue para seus amigos(as) e deixe um comentário ou dúvida aqui