Geralmente, pessoas que realizam atividades atléticas ou diárias que excedam a capacidade absortiva de carga do mecanismo extensor do joelho (tendão quadricipital, patela, ligamento patelar, gordura de Hoffa) podem desenvolver uma inflamação de uma ou todas essas estruturas, desencadeando dor e desconforto anterior na região do joelho. O mais comum é ocorrer devido fraqueza ou desbalanço muscular dos membros inferiores, correspondendo a síndrome da dor patelofemoral.

Seu diagnóstico é firmado com ressonância magnética, que costuma demonstrar síndrome de hipersolicitação do mecanismo extensor do joelho com edema da gordura de Hoffa e derrame articular.

O tratamento geralmente é conservador (não cirúrgico).

Saiba mais sobre aqui >

dor anterior no joelho

Principais causas de dor no joelho e tratamentos:

Síndrome da dor patelofemoral

A síndrome da dor patelofemoral (SDPF) é um distúrbio musculoesquelético comum que afeta a articulação do joelho. A SDPF acomete principalmente, corredores, ciclistas, jogadores de tênis e pessoas fisicamente ativas, com maior incidência em mulheres. As explicações para o aparecimento da SDPF ainda não estão totalmente esclarecidas. As alterações biomecânicas do membro inferior, como fraqueza muscular, frouxidão ligamentar, alteração do ângulo “Q” e mau posicionamento da patela são os principais fatores correlacionados com o aparecimento da SDPF.

Assim, o movimento excessivo e repetitivo, associado com o mau alinhamento da articulação patelofemoral, podem favorecer uma sobrecarga aumentada na região do joelho, provocando a SDPF ou até mesmo o desgaste precoce da cartilagem articular, ocasionando problemas como a condromalácia patelar e osteoartrose do joelho (gonartrose).

Embora em alguns casos a condromalácia patelar é um termo utilizado como sinônimo da SDPF devido à semelhança dos sintomas, a literatura coloca que a SDFP se aplica apenas em indivíduos sem lesão da cartilagem articular, distinguindo-a da condromalácia patelar, uma condição caracterizada pelo amolecimento da cartilagem articular da patela. A principal queixa dos pacientes com SDPF é a dor na região anterior do joelho que se agrava com atividades, como subir e descer escadas, agachar e permanecer sentado por muito tempo.

Tratamento da Síndrome da dor patelofemoral

O tratamento farmacológico com o uso de anti-inflamatórios não-esteroides e acupuntura podem ser utilizados para o alívio dos sintomas na fase aguda da lesão. Recursos como a terapia manual, a utilização de órteses e bandagens para melhorar o alinhamento da articulação patelofemural podem ser utilizados, mas apresentam resultados moderados-baixos.

Assim, o tratamento central da SDPF está voltado para o equilíbrio muscular e biomecânico de todo o membro inferior. A literatura atual aponta que além do “ângulo Q normal” que é considerado para os homens de 10º a 13º graus e 15º a 17º graus para as mulheres, durante o tratamento é necessário considerar o valgo dinâmico, de forma a reequilibrar os músculos que promovem esse rearranjo. O fortalecimento do vasto medial oblíquo é preconizado, como forma de centralizar a patela, promovendo uma melhor estabilização e vantagem mecânica da articulação patelofemural.

Outros métodos

Entretanto, recentemente, outros grupos musculares, como o complexo póstero-lateral do quadril, os músculos inseridos na pata anserina (ou pata de ganso) e o bíceps femoral estão sendo trabalhados para manter um melhor alinhamento da patela e evitar o valgo dinâmico. Os programas de reabilitação e correção biomecânica estão baseados no processo avaliativo e normalmente tem duração de três meses.

Durante o processo de reabilitação, algumas recomendações são preconizadas, como o fortalecimento do quadríceps em cadeia cinética aberta com angulação de 90º a 60º ou 0º a 30º de flexão do joelho, enquanto que os exercícios de agachamento (Squat) em cadeia cinética fechada devem ser executados de 45º a 10º grau de flexão do joelho, como forma de evitar o estresse excessivo e proteger a articulação.

Referências:

  1. A relação do encurtamento da musculatura posterior da coxa e do músculo quadríceps com a dor anterior no joelho
  2. Avaliação funcional do joelho em praticantes de musculação

MUITO BOM! VOCÊ LEU TODO O CONTEÚDO. Ficou alguma dúvida? Deixe uma pergunta nos comentários abaixo, que será respondida.