Fraturas do úmero

fraturas do úmero

O braço é a região do membro superior entre o ombro e o cotovelo. O úmero é o osso encontrado nesta região, onde também estão localizados os músculos bíceps e tríceps. A diáfise é a parte mais central do osso e as suas extremidades, úmero proximal (ombro) e úmero distal (cotovelo).

Fraturas do úmero proximal

fratura no ombro

Fraturas do terço proximal do úmero ou do úmero proximal são a terceira fratura mais comum. Elas ocorrem em 2 faixas etárias e estão relacionadas a dois mecanismos de trauma: nos pacientes mais jovens são causadas por acidentes de alta energia, como acidentes de carro ou moto; nos pacientes acima de 50 anos podem ocorrer em traumas mais leves, como queda da própria altura e comumente estão relacionadas à osteoporose.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito através do exame físico e de radiografias simples. Nos casos mais complexos, pode ser necessária a tomografia computadorizada, que permite uma avaliação tridimensional da fratura. Eventualmente, algumas fraturas podem não aparecer na radiografia inicial, chamadas de fraturas ocultas e são mais comuns nas fraturas sem desvio do tubérculo maior (proeminência no úmero em tendões do manguito rotador se inserem).

Tipos de fraturas

Há uma variação muito grande entre os tipos de fratura. As fraturas podem acometer diferentes partes do osso e podem ou não ser desviadas. Quanto mais desviados esses fragmentos ou partes do osso, mais grave é a fratura. As fraturas com desvio entre os fragmentos são classificadas de acordo com o número de partes (2, 3 ou 4 partes). Quanto maior o número de partes, pior será a fratura. Existem diversos outros critérios que determinam a gravidade da fratura e que são avaliados pelo médico para determinar o melhor tratamento. A presença de luxação da cabeça do úmero e a fratura com degrau na articulação também são fatores de maior gravidade.

Tratamentos

A maioria dessas fraturas tem mínimo desvio e podem ser tratadas de modo não operatório. Em cerca de 20% dos casos a cirurgia é indicada devido ao desvio da fratura. Nos outros 80% o tratamento com uma imobilização com tipóia pode ser realizado. Como existem diversos subtipos dessa fratura, o tratamento deve ser individualizado para cada caso. Mas de modo geral, as fraturas que apresentam desvio entre o osso do úmero e a cabeça do úmero maior que 1cm são consideradas desviadas e podem ser um fator decisivo na escolha da cirurgia. Um desvio de 0,5cm entre as proeminências da cabeça do úmero, chamadas de tubérculos, é o limite aceitável para a maioria dos casos. A angulação superior a 30° a 45° também é considerada como o máximo tolerável.

Tratamento conservador

O tratamento não cirúrgico, ou conservador, é feito com a imobilização do ombro, através do uso de uma tipóia. O tempo de uso da tipóia é variável e depende da cicatrização óssea (consolidação) que será avaliada através de radiografias seriadas. Em média a tipóia é utilizada por cerca de 1 mês , permitindo a movimentação do cotovelo, punho e mão desde o início do tratamento. Dependendo da fratura, a tipóia pode ser retirada para alguns movimentos leves do ombro, orientados pelo médico.

Tratamento cirúrgico

O tipo de cirurgia depende do gravidade da fratura. Na maioria das fraturas, o objetivo é fixar os fragmentos ósseos e estabilizá-los de modo a permitir uma movimentação e reabilitação precoce. Existem diversos métodos para fixar essa fratura. O método mais utilizado atualmente é a fixação com placas específicas para esse tipo de fratura, com características mecânicas que apresentam maior resistência e promovem maior estabilidade.

Nas fraturas mais graves, pode não ser possível reconstruir a fratura, sendo necessário a realização de uma prótese. Na prótese do ombro, um implante metálico irá substituir a cabeça do úmero e as proeminências ósseas da cabeça (tubérculos) serão fixados ao redor da prótese. A fixação e cicatrização dos tubérculos é essencial para o bom resultado com a prótese, pois são o local onde os tendões do ombro estão inseridos.

Complicações

Diversas complicações podem ocorrer com essas fraturas, com ou sem a cirurgia. A perda dos movimentos do ombro é a complicação mais comum e depende de uma série de fatores, como: tempo prolongado de imobilização, gravidade da fratura e posição dos fragmentos ósseos após a consolidação. A consolidação em uma posição ruim também é uma complicação ruim. Uma angulação excessiva do úmero ou o desvio dos tubérculos pode gerar dor ou alguma limitação dos movimentos. A complicação mais temida é a osteonecrose. Essa complicação pode decorrer da perda do suprimento sangüíneo da cabeça do úmero. Pode ocorrer até 2 ou 3 anos depois da cirurgia e principalmente nas fraturas mais graves (em 4 partes) ou naquelas associadas à luxação.

Fraturas do úmero diafisárias

síndrome do impacto no ombro

A diáfise é a parte mais central do osso úmero.

Diagnóstico

Clinicamente, podemos observar:

  • edema;
  • equimose;
  • deformidade no braço;
  • incapacidade do paciente realizar movimentos com o cotovelo e punho.

Radiografias simples do braço são suficientes para o diagnóstico das fraturas da diáfise do úmero. É importante na avaliação inicial, o médico afastar a presença de lesão do nervo radial, que pode ocorrer em 11% dos casos.

Tratamento

O tratamento preferencial das fraturas da diáfise do úmero é não cirúrgico. Os pacientes devem utilizar, nos 7 a 10 primeiros dias, uma imobilização denominada pinça de confeiteiro. Posteriormente, é instalado uma órtese de Sarmiento (brace) que deve ser utilizada até a consolidação da fratura.

A fratura do úmero consolida no intervalo de 9 a 12 semanas após o trauma. Neste período, o paciente é orientado a utilizar o cotovelo e o punho e evitar movimentos com os ombros. Mais de 90% das fraturas consolidam com mínima deformidade residual, sem repercussão na mobilidade do ombro ou cotovelo.

Quando está indicado o tratamento cirúrgico?

O tratamento cirúrgico da fratura do úmero está indicado nos pacientes:

  • vítimas de politraumatismo com múltiplas fraturas;
  • obesos;
  • fraturas expostas;
  • fraturas associadas a tumores;
  • em pacientes que não toleram o tratamento não cirúrgico pelo desconforto excessivo ou aqueles que querem uma reabilitação mais rápida;
  • Desvios muito importantes da fratura como encurtamento maior que 3 cm ou desvios angulares maiores que 30 graus;

Existem múltiplas opções para o tratamento cirúrgico da fratura do úmero. Elas podem ser tratadas com:

  • placa e parafusos;
  • hastes intramedulares;
  • fixador externo.
Muito bom! Você leu todo o conteúdo. Gostou? Divulgue para seus amigos(as) e deixe um comentário ou dúvida aqui 
Consultórios

HORÁRIOS DE ATENDIMENTO

Segunda à Sexta em horário comercial

Veja a agenda clicando aqui

Ver todos os Artigos