Membrana de colágeno no tratamento de lesões cartilaginosas

A membrana de colágeno tem sempre origem animal, ou suína ou caprina ou bovina, até de ratos, e o intuito é que uma vez inserida, estimule as células-tronco mesenquimais que sai através das microperfurações a se transformarem em células cartilaginosas e fabricar a matriz extracelular rica em colágeno do tipo II. Outra função importante é proteger estas células da área articular, evitando-se o estresse mecânico.

Desenvolvimento da membrana de colágeno

A lesão cartilaginosa das articulações é um dos maiores desafios da medicina atual. Por se tratar de um tecido com pouca vascularização e por divisão celular muito lenta, de baixa regeneração, o tratamento e o prognóstico de qualquer lesão cartilaginosa, sendo ela por microtraumas de repetição, como a condromalácia, ou por trauma agudo como o defeito osteocondral, são incertos, dependem de fatores como idade, função muscular, peso e hábitos como a prática regular de esportes ou o tabagismo.

Classicamente, o tratamento de eleição das erosões cartilaginosas grandes sempre foi o da microperfuração. Estatisticamente, sabemos que o procedimento possui um certo tempo limitado de melhoria. Formação do coágulo de fibrocartilagem tende a falhar ao longo do tempo, principalmente em pacientes jovens e muito ativos.

Estudos publicados mostraram que a microperfuração isolada, apesar de eficaz na maioria dos casos, estaria ligada a taxa de falha e recidiva de sintomas em 2 anos, em média, e um dos fatores para que isso ocorresse seria o crescimento desordenado das células tronco que migrariam das perfurações ósseas e com uma tendência maior na formação de cicatriz fibrosa (colágeno tipo I) e menos cartilagem hialina (colágeno tipo II).

Foi desenvolvido uma material sintético, com componentes biológicos, para estimular a formação de cartilagem hialina, em vez de fibrocartilagem. É uma membrana de colágeno (biomembrana). O procedimento é denominado de condrogênese induzida por matriz autógena, cuja sigla em língua inglesa é AMIC.

Indicações e contra-indicações para utilização da biomembrana

Indicações da membrana de colágeno incluem:

  • Lesões osteocondrais em graus III e IV;
  • Defeitos traumáticos locais;
  • Efeitos entre 2,0 e 8 cm²;
  • Pacientes jovens e ativos, com idade entre 18 e 40 anos.

Contra-indicações para a membrana de colágeno:

  • Doença reumatologia concomitante;
  • Artrose já presente em toda a articulação;
  • Instabilidade no joelho;
  • Hemofilia.

>>> Conheça sobre as lesões na cartilagem do joelho >>>

membrana de colágeno - amic

Tratamento com membrana de colágeno

O paciente ideal para utilização da membrana de colágeno no procedimento são pessoas com idade abaixo de 50 anos, com múltiplas lesões, ou atletas de alta demanda com lesões pequenas, menores que 1 cm2. Esta técnica se tornou consagrada nos últimos 15 anos e tem como grande vantagem a possibilidade de ser feita com auxílio da artroscopia, muitas vezes com a possibilidade de alta hospitalar no mesmo dia.

O intuito é criar uma proteção para que as células que migrem das perfurações ósseas não se difundam para dentro do fluido sinovial e também protegendo-as de impacto mecânico. Durante o procedimento, o cirurgião, então aborda o defeito cartilaginoso por via aberta, realiza as micro-fraturas, insere a biomembrana, e a costura (sutura) em suas bordas.

Técnica cirúrgica da membrana de colágeno

Inicialmente, realizamos uma artroscopia tradicional para ver e dimensionar o tamanho do defeito cartilaginoso.

Se realmente a técnica for aplicável, realizamos uma incisão mínima sobre a área a ser trabalhada e o defeito é mensurado de forma aberta. A seguir, realizamos o molde na membrana de colágeno exatamente do tamanho do defeito e a microperfuração é realizada.

A fixação da biomembrana é realizada através de costuras (suturas) e reforçada por uma cola de fibrina. Por fim, realizamos a flexo-extensão da articulação para ver se existe algum atrito ou bloqueio. Se houver, o molde é refeito. Não havendo, fechamos cuidadosamente a cápsula e demais estruturas da articulação abordada.

Recuperação pós-operatória

Para melhores resultados, aconselha-se o uso de muletas por quatro a seis semanas, sem soltar o peso no membro onde o joelho foi operado. Por se tratar de uma cirurgia aberta e, portanto mais agressiva, os estágios iniciais da reabilitação no pós-operatório de membrana de colágeno incluem controle da dor, ativação muscular a fim de se prevenir atrofia do músculo anterior da coxa que, invariavelmente ocorre e manutenção do arco de movimento do joelho.

membrana de colágeno
Muito bom! Você leu todo o conteúdo. Gostou? Divulgue para seus amigos(as) e deixe um comentário ou dúvida aqui 
clínica salus trata

Agende uma consulta!

Descubra nossos protocolos de tratamento eficazes e sem cirurgia, baseados em exame clínico detalhado, exame tridimensional do movimento, marcha, postura, corrida e atendimento cordial.

HORÁRIOS DE ATENDIMENTO

Segunda à Sexta em horário comercial

Veja a agenda clicando aqui

Perguntas Frequentes:

Quais os sintomas de desgaste no joelho?2020-01-31T22:42:51-03:00
O que causa perda de cartilagem no joelho?2020-01-31T22:34:39-03:00

Acredita-se que a lesão da cartilagem articular pode ser causada por múltiplos fatores, desde doenças congênitas, displasias ou mau alinhamento dos joelhos, além de causas traumáticas, como acidentes com entorses ou traumas diretos nos joelhos.

O que é lesão na cartilagem do joelho?2020-01-31T22:31:57-03:00

A cartilagem é um tecido fibroelástico que reveste as nossas articulações. Ela é formada, principalmente, por colágeno, água e células específicas chamadas de condrócitos. A cartilagem não possui vasos sanguíneos, linfáticos ou inervação. Além disso, a cartilagem tem baixo potencial de se regenerar.

Artigos Relacionados:

2020-01-31T22:43:17-03:00

Sobre o Autor:

Dr. Márcio R. B. Silveira, formado em 2006 pela faculdade federal de medicina da Universidade de Brasília (UnB), com especialização, no ano de 2009, em Traumatologia e Ortopedia pela residência da Secretária de Saúde de Brasília / DF, em sua rede pública de hospitais, com subespecialização, no ano de 2012, em cirurgia do joelho e traumatologia esportiva em Belo Horizonte / MG, acompanhando os médicos do Cruzeiro Esporte Clube e os serviços dos hospitais Maria Amélia Lins, Lifecenter, Belo Horizonte, Belvedere e João XXIII. Atuante principalmente no tratamento de lesões de cartilagem, buscando sua reparação e transplante; lesões de menisco com sutura em crianças e reparo; rupturas ligamentares articulares e sua reconstrução biológica e prevenção; tratamento da artrose, com medidas medicamentosas e artroplastias; tendinites e rompimento de tendões provocadas tanto por atividades esportivas, como por alterações degenerativas; fraturas em idosos que apresentam ossos mais frágeis; e enfoque na reabilitação muscular e postural. Médico ortopedista especialista em Cirurgia do Joelho, Traumatologia Esportiva e Ortopedia do Idoso, atende em Brasília / DF, na sua clínica Salus Ortopedia, Fisioterapia e Acupuntura, fornecendo tratamento conservador e operatório no Plano Piloto, Águas Claras e Ceilândia.

Deixe um comentário ou questionamento