A síndrome “sick” da escápula

Tema: lesões esportivas

A síndrome “SICK” da escápula (Scapula malposition, Inferior medial border proeminence, Coracoid pain and malposition and dysKinesis of scapular movement) foi recentemente reconhecida como um quadro de fadiga muscular, ocasionado por uso em demasia e movimentos repetitivos da articulação do ombro, gerando dor e perda do desempenho no arremesso e sintomas da “Síndrome do braço morto”. Sua característica principal é a posição assimétrica da escápula dominante, estando mais baixa que a contra lateral, devido a uma ativação anormal da musculatura, levando a um padrão de movimento inadequado. A escápula se encontra protraída e rodada no seu eixo horizontal. Os músculos peitorais se encontram encurtados, provocando um ponto doloroso sobre o processo coracóide. Os sintomas clínicos são: dor anterior no ombro, no trapézio e na região cervical, podendo ser confundido com lesão “SLAP”, radiculopatias e instabilidade do ombro.

Este quadro de discinesia pode apresentar-se clinicamente em três formas, sendo que as tipo I e II estão freqüentemente associadas às lesões do lábio da glenóide. No exame clínico, a discinesia do tipo I apresenta proeminência ínfero-medial da borda da escápula e do tipo II, proeminência da borda medial da escápula.

A discinesia do tipo III, pode estar associado à síndrome do impacto e lesão do manguito rotador e apresenta proeminência da borda supero-medial da escápula .

O tratamento da discinesia é feito pela reabilitação visando o afastamento temporário do arremesso e reequilíbrio dos estabilizadores da escápula, observando-se melhora após três meses de tratamento. Em uma série de 96 atletas arremessadores, portadores dessa síndrome e acompanhados por um ano, todos retornaram a atividade normal em quatro meses.

Saiba mais sobre as lesões da cintura escapular >

 

0


Deixe uma resposta

  • drmarciosilveira on 5 de março de 2021 às 18:07:19

Este post foi criado por Dr. Márcio Silveira Ligar 13/01/2021.