Como caracteriza-se a instabilidade patelofemoral?

instabilidade patelofemoralTema: patela

Chamamos de instabilidade femoropatelar a disfunção que surge quando existe falta de estabilidade na articulação formada pela patela e o fêmur. Essa é uma disfunção multifatorial que pode gerar dor e impedir os movimentos fisiológicos de membros inferiores. Ela também pode gerar a subluxação ou luxação da patela.

Em boa parte dos casos, o paciente nos procura para reclamar que a patela “saiu do lugar” ou por causa da crepitação da articulação (condropatia).

Pode acontecer por causa de traumas diretos na região ou por instabilidades geradas por outros fatores. É comum em pacientes com valgo do joelho, já que o desalinhamento dessa região diminui a estabilidade patelar.

Também precisamos considerar a posição da articulação femoropatelar e suas consequências. A tróclea rasa (ou displasia da tróclea) é um fator importante de instabilidade. Outra situação predisponente seria tuberosidade anterior da tíbia (TAT) muito lateralizada, aumentando a TA-GT (> 20 mm), e lateralizando o tendão patelar.

Outra possibilidade para o desenvolvimento de instabilidade femoropatelar é a existência de alterações biomecânicas dos joelhos e quadris. A patela alta, por exemplo, é um fator de risco presente em muitos pacientes com tensão exacerbada nos retos femorais.

Devemos prestar atenção especial durante a avaliação do quadril, seus desvios podem causar encurtamento de musculaturas estabilizadoras do joelho, provocando o valgo dinâmico.

 

0


Deixe uma resposta

  • drmarciosilveira on 14 de maio de 2019 às 22:30:37
  • drmarciosilveira on 14 de maio de 2019 às 22:20:51
  • drmarciosilveira on 14 de maio de 2019 às 22:04:00
  • drmarciosilveira on 14 de maio de 2019 às 21:55:22

Este post foi criado por Dr. Márcio Silveira Ligar 14/05/2019.