Pubalgia: causas e tratamento

Início/Traumatologia Esportiva/Pubalgia: causas e tratamento
pubalgia biomecânica

Pubalgia, também conhecida como pubeíte ou osteíte púbica, é uma condição dolorosa na região da sínfise púbica (região baixa do abdômen, púbis e virilha), que dá origem aos músculos adutores (parte interna da coxa, constituída pelos músculos grácil e adutores longo, curto e magno).

Em geral, há uma piora gradativa e a aumento dos sintomas ocorre quando são realizados movimentos específicos de chute, rotação ou adução (ou seja, fechamento) da coxa.

>>> Saiba sobre o impacto no quadril >>>

Tipos

A pubalgia pode ter ser do tipo aguda (pubalgia traumática) ou crônica (pubalgia crônica), causa por repetições. O mecanismo de lesão engloba movimentos de hiperextensão repetitiva do tronco em associação com hiperabdução da coxa, com tração do periósteo na inserção do músculo reto abdominal ou na origem do músculo adutor longo da pelve. Acredita-se que o excesso de tração muscular com vetores multidirecionais leve a degeneração da sínfise púbica.

Causas da pubalgia

As causas da pubalgia são por sobrecarga na região do púbis, baixo ventre e disfunção no sistema músculo esquelético. Também pode ser causada pelo desequilíbrio entre a musculatura abdominal e das coxas (adutores), associada ainda à sobrecarga de exercícios, redução da mobilidade do quadril e sacroilíaca (ossos sacro e ilíaco), micro lesões dos músculos adutores e enfraquecimento da musculatura abdominal.

Sintomas da pubalgia

Os principais sintomas de pubalgia são:

  • Desconforto na região do púbis
  • Limitação das atividades laborais
  • Dores agudas que dificultam muito andar, tossir ou espirrar
  • Dor que irradia para região inguinal (transição entre o abdômen e as pernas)
  • Dor que irradia para região dos testículos
pubalgia

Diagnóstico da pubalgia

O diagnóstico da pubalgia é realizado através de uma avaliação dos sintomas, juntamente com uma avaliação biomecânica. No exame clínico, observa-se a presença de uma exacerbação de sensibilidade no tubérculo púbico anterior. A dor também pode ser mimetizada pela flexão do quadril, rotação interna e contração da musculatura abdominal. O importante no diagnóstico é estabelecer uma relação entre o histórico e o exame físico.
Pelos exames de imagem, a radiografia simples pode mostrar a degeneração da sínfise púbica e a ressonância magnética, mostra edema ósseo característico da lesão.

Tratamento da pubalgia

O tratamento conservador da pubalgia traumática, caso não haja perda de mobilidade, pode ser o repouso, associado ao uso de anti-inflamatório, gelo, bandagens funcionais e acupuntura. Visa, basicamente o fortalecimento, alongamento e reequilíbrio dos grupos musculares envolvidos na lesão. Deve ser sempre instituído para o atleta amador.

Assim como em outras lesões, o bom senso deve prevalecer no tratamento da pubalgia. Em atletas profissionais ou adolescentes que pretendem se profissionalizar nos esportes, o afastamento prolongado ao esporte pode comprometer o rendimento e, consequentemente, a carreira. Por este motivo, havendo falha no tratamento conservador, deve-se optar pelo tratamento cirúrgico.

Eu preciso fazer cirurgia para pubalgia?

Cirurgia

A cirurgia para a pubalgia envolve, basicamente a tenotomia (liberação tendínea) dos tendões adutores e do reto abdominal em sua inserção comum na púbis, com o paciente posicionado em mesa de tração, seguida da curetagem (“raspagem”) e perfuração do tubérculo púbico a fim de se estimular a migração de células-tronco para a revitalização da área da lesão.

Prevenção

A pubalgia pode ser prevenida mantendo a musculatura abdominal e adutora com forças equilibradas, por meio de uma preparação física bem orientada. Também é fundamental que a prática esportiva seja feita com treinos programados e controlados.

>>> Conheça Exercícios de fortalecimento >>>
>>> Saiba sobre Lesões comuns no futebol >>>

Muito bom! Você leu todo o conteúdo. Gostou? Divulgue para seus amigos(as) e deixe um comentário ou dúvida aqui 
Clínica Salus Trata ortopedista especialista em joelho

Agende uma consulta!

Descubra nossos protocolos de tratamento eficazes e sem cirurgia, baseados em exame clínico detalhado, exame tridimensional do movimento, marcha, postura, corrida e atendimento cordial.

HORÁRIOS DE ATENDIMENTO

Segunda à Sexta em horário comercial
Em Brasília / DF, no plano piloto, Asa Norte, Ceilândia e Águas Claras.

Veja a agenda clicando aqui

Perguntas frequentes

Como é feita a cirurgia de pubalgia?2020-03-20T15:48:35-03:00

A cirurgia para a pubalgia envolve, basicamente a tenotomia (liberação tendínea) dos tendões adutores e do reto abdominal em sua inserção comum na púbis, com o paciente posicionado em mesa de tração, seguida da curetagem (“raspagem”) e perfuração do tubérculo púbico a fim de se estimular a migração de células-tronco.

Qual o tratamento para pubalgia?2020-03-20T15:47:01-03:00

O tratamento para pubalgia, que é um problema crônico que afeta muitos atletas, como jogadores de futebol, corredores ou jogadores de hóquei, deve ser orientado por um ortopedista e, normalmente, é feito com repouso e aplicação de compressas geladas na virilha, durante 7 a 10 dias, associado com fisioterapia. Não tendo melhora, é realizado o tratamento operatório. 

Quais sintomas da pubalgia?2020-03-20T15:45:16-03:00
Os principais sintomas da pubalgia são:
  • Dor na virilha, principalmente ao praticar exercícios, levantar, sentar e ao tossir.
  • Aumento da dor ficar num só pé
  • Aumento da dor durante corridas.
  • Sensação de ardor na região da virilha.
  • Diminuição dos movimento do quadril.
  • Pode haver dor na região lombar, no fundo das costas.
Onde fica o púbis no ser humano?2020-03-20T15:44:06-03:00

O púbis localizado no final do músculo do abdômen sob a região genital, é considerado o centro de gravidade do corpo, por ser um osso que serve como junção de outros ossos importantes. A inflamação nessa região é chamada de pubalgia, ela é muito frequente entre corredores, jogadores de tênis e de futebol.

Artigos relacionados

2020-03-20T16:22:12-03:00

Sobre o Autor:

Dr. Márcio R. B. Silveira, formado em 2006 pela faculdade federal de medicina da Universidade de Brasília (UnB), com especialização, no ano de 2009, em Traumatologia e Ortopedia pela residência da Secretária de Saúde de Brasília / DF, em sua rede pública de hospitais, com subespecialização, no ano de 2012, em cirurgia do joelho e traumatologia esportiva em Belo Horizonte / MG, acompanhando os médicos do Cruzeiro Esporte Clube e os serviços dos hospitais Maria Amélia Lins, Lifecenter, Belo Horizonte, Belvedere e João XXIII. Atuante principalmente no tratamento de lesões de cartilagem, buscando sua reparação e transplante; lesões de menisco com sutura em crianças e reparo; rupturas ligamentares articulares e sua reconstrução biológica e prevenção; tratamento da artrose, com medidas medicamentosas e artroplastias; tendinites e rompimento de tendões provocadas tanto por atividades esportivas, como por alterações degenerativas; fraturas em idosos que apresentam ossos mais frágeis; e enfoque na reabilitação muscular e postural. Médico ortopedista especialista em Cirurgia do Joelho, Traumatologia Esportiva e Ortopedia do Idoso, atende em Brasília / DF, na sua clínica Salus Ortopedia, Fisioterapia e Acupuntura, fornecendo tratamento conservador e operatório no Plano Piloto, Asa Norte, Águas Claras e Ceilândia.

Um Comentário

  1. […] Luxações e tensões na virilhaSíndrome da banda iliotibialArtrose do QuadrilContusão da crista ilíaca– Uma contusão da crista ilíaca é uma lesão aguda e dolorosa causada por um impacto direto na crista ilíaca da pélvis. A lesão pode causar sangramento nos músculos abdominais ou abdutores do quadril que se ligam à crista ilíaca. O osso e o músculo que a cobrem se machucam com frequência, e a dor pode ser intensa. Equipamento de proteção adequado pode ajudar a evitar essa lesão e primeiros socorros imediatos e descanso pode acelerar a recuperação. Distensão dos IsquiotibiaisSíndrome de Iliopsoas– Dor na virilha e na parte superior da coxa, rigidez e sensação de estalos no quadril são sinais comuns de lesões no iliopsoas. Esse tipo de dor no quadril pode estar relacionado à bursite do iliopsoas (irritação e inflamação da bolsa sinovial do iliopsoas) ou à tendinite do iliopsoas (irritação e inflamação do tendão iliopsoas). A condição ocorre com mais frequência em ginastas, dançarinos e atletas de atletismo que realizam repetidos movimentos de flexão do quadril. Bursite do QuadrilSíndrome do PiriformeFratura por Estresse do QuadrilDor e Lesão no Cóccix […]

Deixe um comentário ou questionamento