O joelho é um membro que sempre está envolvido em alguma atividade de impacto, mesmo que seja de baixa intensidade. Uma “simples” caminhada, por exemplo, exige que os nossos joelhos suportem cerca de 2 a 3 vezes o peso do corpo a cada passo feito. Para complicar esse cenário, o formato dos ossos do joelho (tíbia e fêmur) não se encaixam perfeitamente.

 

Esse formato cria locais dentro do joelho onde o impacto acaba sendo maior, aumentando os riscos de destruição nessas regiões. Para evitar a destruição do joelho, o impacto precisa ser dissipado de alguma forma, que é feito pelos meniscos. Cada joelho possui 2 meniscos para amortecer os impactos que essa articulação recebe.

 

Dessa forma, por conta de sua função, os meniscos podem ser acometidos por dois principais problemas: degeneração e rotura. No primeiro caso, é o desgaste inerente ao uso e ao envelhecimento. No entanto, algumas pessoas podem desenvolver o problema mais precocemente por uma série de motivos, como genética, deformidades no joelho e sobrepeso, por exemplo. Geralmente, o tratamento da degeneração do menisco envolve medidas não cirúrgicas, tais como viscossuplementação, nutracêuticos, atividade física supervisionada e fisioterapia.

 

No caso da rotura, ela pode ocorrer ou não por causa de um trauma: depois de realizar uma trilha; uma caminhada na prata; entorses no futebol, basquete e outras modalidades; após sofrer um escorregão ou tropeço; após levantar da posição de cócoras; associado à lesão do ligamento cruzado anterior.

 

Como tratar lesões no menisco com a sutura meniscal

 

, Sutura Meniscal, Dr. Márcio Silveira: Especialista em Joelho Adulto e Infantil, Traumatologia Esportiva e Idoso

 

Atualmente, dispomos de outras tecnologias que, em determinadas situações, substituem a meniscectomia. Como comentei anteriormente, o menisco é importante para a saúde do joelho; por isso, sempre nos esforçamos para manter o máximo possível do comprimento total do menisco. Uma técnica desenvolvida para atingir esse objetivo é a sutura meniscal, realizada também de forma minimamente invasiva por artroscopia, mas que pode requerer cortes um pouco maiores conforme a técnica utilizada.

 

Sobre o Dr. Márcio Silveira, especista em joelho, ortopedia do idoso e traumatologia esportiva em Brasília / DF >