Tratamento para fraturas do fêmur

Início/Ortopedia Especializada/Tratamento para fraturas do fêmur
Tratamento para fraturas do fêmur

Tratamento para fraturas do fêmur não-cirúrgico

A maioria das fraturas da diáfise femoral necessitam de cirurgia para se curar. É incomum tratamento para fraturas do fêmur diafisárias serem tratadas sem cirurgia. As crianças muito jovens são muitas vezes tratadas com um gesso.

Tratamento para fraturas do fêmur Cirúrgico

Momento da cirurgia: Se a pele em torno de sua fratura não foi danificada, o seu médico vai esperar até que esteja estável antes de fazer a cirurgia. Fraturas abertas, no entanto, expõe o local da fratura para o ambiente. Elas precisam urgentemente de ser limpas e requerem cirurgia imediata para prevenir a infecção como tratamento das fraturas do fêmur.

Para o tempo entre o atendimento de emergência inicial e sua cirurgia, seu médico irá colocar a sua perna ou em uma tala até perna longa ou em tração esquelética. Isso é para manter seus ossos quebrados alinhados o quanto possível e para manter o comprimento do membro.

Tração esquelética é um sistema de polia de pesos e contrapesos que mantém os pedaços de ossos juntos. Ela mantém a perna reta e muitas vezes ajuda a aliviar a dor.

Fixação externa

Neste tipo de operação, pinos de metal ou parafusos são colocados dentro do osso acima e abaixo do local da fractura. Os pinos e os parafusos são ligados a uma barra por fora da pele. Este dispositivo é uma armação para estabilização que mantém os ossos na posição correta para que eles possam curar.

A fixação externa é geralmente um tratamento temporário para fraturas de fêmur. Como é de fácil aplicação, fixadores externos são muitas vezes colocados quando um paciente tem lesões múltiplas e ainda não está pronto para uma longa cirurgia para corrigir a fratura. Um fixador externo proporciona boa estabilidade temporária até que o paciente esteja saudável o suficiente para a cirurgia definitiva. Em alguns casos, um fixador externo é deixada até que o fêmur esteja completamente curado, mas isto não é comum.

Haste intramedular

Durante este procedimento, uma haste de metal especialmente concebida é inserida no canal medular do fêmur. A haste passa através da fratura para mantê-la em posição.

Uma haste intramedular pode ser inserida no canal, quer pelo quadril ou pelo joelho por meio de uma pequena incisão. É aparafusada ao osso em ambos os extremos. Isso mantém a haste e o osso na posição correta durante a cicatrização.

Hastes intramedulares são normalmente feitas de titânio. Elas vêm em vários comprimentos e diâmetros para caber na maioria dos ossos do fêmur.

Placas e parafusos

Durante esta operação, os fragmentos de osso são primeiro reposicionados (fratura reduzida) para o seu alinhamento normal. Eles são mantidos juntos com parafusos especiais e as placas de metal que aderem à superfície exterior do osso.

Placas e parafusos são muitas vezes utilizados quando a haste intramedular pode não ser possível, tal como, por fraturas que se estendem até o quadril ou até a articulação do joelho, ou muito segmentar.

Tratamento para fraturas do fêmur

Recuperação

As fraturas da diáfise femoral levam 4 a 6 meses para consolidar completamente. Algumas demoram ainda mais, especialmente se a fratura foi aberta ou quebrada em vários pedaços.

Apoio com carga (peso corporal)

Muitos médicos incentivam o movimento da perna no início do período de recuperação. É muito importante seguir as instruções do seu médico de quando colocar peso sobre a perna lesionada para evitar problemas.

Em alguns casos, o médico irá permitir que os pacientes coloquem peso, tanto quanto possível sobre a perna operada após a cirurgia. No entanto, você pode não ser capaz de colocar peso sobre a perna até a fratura começar a cicatrizar. É muito importante seguir as instruções do seu médico cuidadosamente.

Quando você começar a andar, provavelmente precisará usar muletas ou um andador para apoio.

Fisioterapia

Como você provavelmente irá perder a força muscular no local da lesão, no tratamento das fraturas do fêmur, os exercícios durante o processo de cura são importantes. A fisioterapia vai ajudar a restaurar a força muscular normal, mobilidade articular e flexibilidade.

Um fisioterapeuta provavelmente irá começar a ensinar-lhe exercícios específicos enquanto você ainda está no hospital. O terapeuta também irá ajudá-lo a aprender a usar muletas ou andador.

Complicações

Complicações do tratamento das fraturas do fêmur diafisárias

As fraturas da diáfise do fêmur podem causar mais danos e complicações.

  1. As extremidades dos ossos quebrados muitas vezes são afiados e podem cortar ou rasgar ao redor dos vasos sanguíneos ou nervos.
  2. Síndrome compartimental aguda pode se desenvolver. Esta é uma condição dolorosa que ocorre quando a pressão no interior dos músculos chegai a níveis perigosos. Esta pressão pode diminuir o fluxo de sangue, o que impede a nutrição e oxigenação das células musculares. A menos que a pressão seja aliviada rapidamente, invalidez permanente pode acometer. Esta é uma emergência cirúrgica. Durante o procedimento, o cirurgião faz incisões na pele e nos revestimentos musculares para aliviar a pressão.
  3. Fraturas abertas expõe o osso ao ambiente exterior. Mesmo com uma boa limpeza cirúrgica do osso e músculo, o osso pode ser infectado. Infecção óssea é difícil de tratar e freqüentemente requer múltiplas cirurgias e utilização por longo prazo de antibióticos.

Complicações decorrentes do tratamento das fraturas do fêmur com cirurgia

Além dos riscos da cirurgia, em geral, tais como perda de sangue ou problemas relacionados com a anestesia, complicações da cirurgia podem incluir:

  1. Infecção
  2. A lesão de nervos e vasos sanguíneos
  3. Os coágulos de sangue (trombose)
  4. A embolia gordurosa (medula óssea entra na corrente sanguínea e pode ir para os pulmões, o que pode acontecer também da própria fratura sem cirurgia)
  5. Desalinhamento ou a incapacidade de posicionar corretamente os fragmentos de ossos quebrados
  6. União retardada ou falha na união (quando a fratura cicatriza mais lento do que o habitual ou não consolida)
  7. Irritação pelos implantes (por vezes, a extremidade do prego ou do parafuso pode irritar os músculos sobrejacente e tendões)
Muito bom! Você leu todo o conteúdo. Gostou? Divulgue para seus amigos(as) e deixe um comentário ou dúvida aqui 

HORÁRIOS DE ATENDIMENTO

Segunda à Sexta em horário comercial
Em Brasília / DF

Veja a agenda clicando aqui

Perguntas frequentes

Qual é o osso do fêmur?2020-03-05T08:26:12-03:00

O fêmur é o mais longo e pesado osso do corpo. O fêmur consiste em uma diáfise e duas epífises. Articula-se proximalmente com o osso do quadril e distalmente com a patela e a tíbia.

Quais os sintomas de fratura no fêmur?2020-03-05T08:24:25-03:00
Possíveis sintomas de fratura do fêmur:
  • Dificuldade para movimentar a perna;
  • Dor mais intensa ao colocar o peso sobre a perna;
  • Inchaço da perna ou presença de hematomas.
Quanto tempo demora para o osso do fêmur colar?2020-03-05T08:22:38-03:00

A fratura da diáfise do fêmur, em média, demora 3 meses a depender do local da fratura, tipo de fratura e complicações de cicatrização.

O que é uma fratura no fêmur?2020-03-05T08:18:48-03:00

A fratura femoral é uma fratura óssea na parte superior da perna que afeta o osso mais longo e volumoso do corpo, o fêmur. As fraturas femorais são geralmente causadas por trauma de alto impacto, como acidentes de automóvel, ou um tiro, devido à grande quantidade de força necessária para quebrar esse osso.

Artigos relacionados

2020-06-07T15:05:31-03:00

Sobre o Autor:

Dr. Márcio R. B. Silveira, formado em 2006 pela faculdade federal de medicina da Universidade de Brasília (UnB), com especialização, no ano de 2009, em Traumatologia e Ortopedia pela residência da Secretária de Saúde de Brasília / DF, em sua rede pública de hospitais, com subespecialização, no ano de 2012, em cirurgia do joelho e traumatologia esportiva em Belo Horizonte / MG, acompanhando os médicos do Cruzeiro Esporte Clube e os serviços dos hospitais Maria Amélia Lins, Lifecenter, Belo Horizonte, Belvedere e João XXIII. Atuante principalmente no tratamento de lesões de cartilagem, buscando sua reparação e transplante; lesões de menisco com sutura em crianças e reparo; rupturas ligamentares articulares e sua reconstrução biológica e prevenção; tratamento da artrose, com medidas medicamentosas e artroplastias; tendinites e rompimento de tendões provocadas tanto por atividades esportivas, como por alterações degenerativas; fraturas em idosos que apresentam ossos mais frágeis; e enfoque na reabilitação muscular e postural. Médico ortopedista especialista em Cirurgia do Joelho, Traumatologia Esportiva e Ortopedia do Idoso, atende em Brasília / DF, na sua clínica Salus e Consolidação Ortopedia, Fisioterapia e Acupuntura, fornecendo tratamento conservador e operatório no Plano Piloto, Asa Norte, Águas Claras, Taguatinga e Ceilândia.

Deixe um comentário ou questionamento