A fratura é um osso quebrado. As fraturas do fêmur que ocorrem um pouco acima do joelho são chamados de fraturas do fêmur distal. O fêmur distal é onde as paredes do osso expandem como um funil de cabeça para baixo.

Fraturas do fêmur distal ocorrem mais freqüentemente tanto em pessoas idosas cujos ossos são fracos, ou em pessoas mais jovens que tenham lesões de alta energia, como a partir de um acidente de carro. Em ambos, os idosos e os jovens, os fragmentos podem ir até a articulação do joelho e podem quebrar o osso em vários pedaços.

Fratura do fêmur distal

Anatomia

O joelho é a maior articulação de sustentação de peso em seu corpo. O fêmur distal compõe a parte superior de seu joelho. A parte superior da tíbia (osso da perna) suporta a parte inferior do seu joelho. As extremidades do fémur são cobertos por uma substância, lisa e escorregadia, chamado de cartilagem articular. Esta cartilagem protege e amortece o osso quando você dobrar e esticar o joelho.

Os músculos fortes na frente da coxa (quadríceps) e posterior da coxa (isquiotibiais) apoiam a articulação do joelho e permitem que você dobre e estique o joelho.

Fraturas de fêmur distal variam. O osso pode quebrar em frente (fratura transversa) ou em vários pedaços (fratura cominutiva). Às vezes, essas fraturas se estendem até o joelho e separam a superfície do osso em algumas (ou muitas) partes. Estes tipos de fraturas são chamadas intra-articulares. Porque elas danificam a superfície da cartilagem do osso, fraturas intra-articulares podem ser mais difíceis de tratar.

Fraturas do fêmur distal podem ser fechadas – ou seja, a pele está intacta – ou pode ser aberta. Uma fratura aberta é quando um osso quebra de tal maneira que os fragmentos de osso saem para fora através da pele ou uma ferida penetra profundamente até o osso fraturado. As fraturas expostas muitas vezes envolvem muito mais danos aos músculos que rodeiam, tendões e ligamentos. Elas têm um maior risco de complicações e levam mais tempo para curar.

Nas fraturas do fêmur distal, ambos os tendões e músculos do quadríceps e isquiotibias tendem a contrair e diminuir. Quando isso acontece o osso muda de posição e fragmentos tornam-se difíceis de alinhar.

Causas

As fraturas do fêmur distal ocorrem mais comumente em dois tipos de doentes: os mais jovens (menos de 50 anos) e idosos.

  • Fraturas de fêmur distal em pacientes mais jovens geralmente são causadas por lesões de alta energia, tais como quedas de alturas significativas ou colisões de veículos. Devido à natureza contundente dessas fraturas, muitos pacientes também têm outras lesões, muitas vezes da cabeça, tórax, abdômen, pelve, coluna e outros membros.
  • Os idosos com fratura de fêmur distal geralmente têm má qualidade óssea. À medida que envelhecemos, nossos ossos ficam mais finos. Os ossos podem tornar-se muitos fracos e frágeis. Um evento de menor força, como uma queda da própria altura, pode causar uma fratura de fêmur distal em uma pessoa mais velha que tem ossos fracos. Embora esses pacientes não costumem ter outras lesões, eles podem ter outros problemas médicos, tais como as condições do coração, pulmões e rins e diabetes.

Sintomas

Os sintomas mais comuns de fratura do fêmur distal incluem:

  • Dor ao apoiar membro
  • Inchaço e hematomas
  • Sensibilidade ao toque
  • Deformidade – o joelho pode parecer “fora do lugar” e a perna pode parecer mais curta e torta

Na maioria dos casos, estes sintomas ocorrem em torno do joelho, mas você também pode ter sintomas na região da coxa.

Fratura supracondiliana do fêmur

Exame ortopédico

É importante que o seu médico saiba as circunstâncias de sua lesão. Por exemplo, se você caiu de uma árvore, até onde você caiu? É tão importante para o seu médico saber se você sofreu quaisquer outras lesões e se você tem outros problemas médicos, tais como diabetes. O médico também precisa saber se você toma qualquer medicação.

Depois de discutir os seus sintomas e história clínica, o médico fará um exame cuidadoso.

  • O seu médico irá avaliar a sua condição geral para garantir que nenhuma outra parte do corpo foram feridas (cabeça, peito, barriga, bacia, coluna e outras extremidades)
  • Ele ou ela irá examinar a sua pele ao redor da fratura para se certificar de que não é uma fratura exposta
  • Seu médico também vai verificar o fornecimento de sangue e função nervosa de sua perna

Exames de imagem

Outros exames que irão fornecer ao seu médico mais informações sobre a sua lesão incluem:

  • Radiografias (raio-X): A forma mais comum para avaliar uma fratura é com radiografias, que fornecem imagens claras do osso. Radiografias podem mostrar se um osso está intacto ou quebrado. Eles também podem mostrar o tipo de fratura e onde ela está localizada. Para certificar-se que não há outras fraturas ocultas, seu quadril e tornozelo também serão radiografados.
  • Tomografia Computadorizada (TC): A TC mostra uma imagem em corte transversal do seu membro. Ela pode fornecer ao seu médico informações valiosas sobre a gravidade da fratura. Essa verificação pode mostrar se a fratura atinge a superfície articular e, em caso afirmativo, quantos pedaços de osso que existem. A TC vai ajudar o médico a decidir como corrigir as falhas.
  • Outros exames: O seu médico pode pedir outros exames que não envolvem a perna quebrada para se certificar que outras partes do corpo estão feridos (cabeça, peito, barriga, pelve, coluna, braços, e outra perna). Às vezes, outros estudos são feitos para verificar o fornecimento de sangue para a perna.

Tratamento, clique aqui >

Muito bom! Você leu todo o conteúdo. Gostou? Divulgue para seus amigos(as) e deixe um comentário ou dúvida aqui 
Consultórios

HORÁRIOS DE ATENDIMENTO

Segunda à Sexta em horário comercial

Veja a agenda clicando aqui

Ver todos os Artigos