Bursite no quadril

bursite no quadril

No quadril existem quatro bursas (bursa trocantérica, bursa isquiática, bursa ilio-psoas e a bursa do glúteo médio). Em todas as bursas pode ocorrer inflamação (bursite), no entanto, existem fatores (localização, atividades, etc.) que tornam a bursite mais frequente em algumas localizações.

>>> Saiba sobre as Tendinites no quadril >>>

Tipos de bursite no quadril

A bursite trocantérica (ou trocanterite) é a inflamação da bursa trocantérica que se localiza na região trocantérica (entre o trocânter maior do fêmur e a banda ílio-tibial e o tendão do músculo do glúteo médio). A trocanterite é o tipo de bursite mais frequente.

A bursite isquiática (inflamação da bursa isquiática) ocorre com relativa frequência, apesar de ser menos frequente que a bursite trocantérica. A bursa isquiática está localizada entre o glúteo maior e a tuberosidade isquiática.

Para além destas duas bursas (bursa trocantérica e bursa isquiática), existem outras duas(bursa ilio-psoas e a bursa do glúteo médio), se bem que seja rara a ocorrência de inflamação nestas duas bolsas sinoviais.

A bursite do quadril, principalmente a bursite trocantérica, é uma das causas frequentes para a dor peritrocantérica (dor na região femoral proximal ou “dor na face externa do quadril”).

A bursite trocantérica está, muitas vezes, associada à tendinite da fáscia lata.

Sintomas

A dor no quadril é a principal sintomatologia, cuja localização depende da bursa afetada.

Na bursite trocantérica (trocanterite), os sintomas caracterizam-se pela sensibilidade e dor na região lateral da coxa (“do lado de fora”) que, por vezes, irradia para a região inguinal (região da virilha). A dor tende a intensificar com a atividade (caminhada, subir ou descer escadas, etc.). Os doentes, por norma, sentem dificuldade em deitarem-se “de lado” sobre o quadril afetado, causando frequentemente dificuldades em dormir durante a noite.

Na bursite isquiática, os sintomas são a dor e sensibilidade localizadas na área da nádega e que irradia para a face posterior da coxa. Esta bursite pode causar dor forte, que se nota com maior frequência ao subir escadas ou caminhar em planos inclinados. A dor é, muitas vezes, sentida após exercício prolongado em superfícies duras.

Em qualquer uma das bursites, a dor no quadril pode variar de moderada a intensa e pode irradiar em alguns casos para a coxa e para o joelho. Nos esportistas, a prática de exercício físico pode agravar as queixas, fundamentalmente nos casos em que existe treino intensivo ou um aumento repentino da carga de treino, devendo equacionar-se a suspensão da atividade física.

Causas

Causada por inflamação que resulta de traumatismos e esforços repetidos.

A prática de certos esportes ou atividades (futebol, atletismo, trilha, musculação, etc.) pode desencadear a bursite pelo esforço realizado. A bursite pode ocorrer mais facilmente se as atividades não reunirem as condições para serem praticadas. Alguns fatores de risco para o desenvolvimento da bursite são: calçado esportivo inadequado, superfícies irregulares, superfícies inclinadas, etc..

Algumas profissões, pelas atividades que desenvolvem, como por exemplo, subir e descer as escadas, atividades repetitivas, etc. podem estar mais suscetíveis ao desenvolvimento de bursite.

A bursite trocantérica está muito associada à realização de movimentos repetitivos de flexão / extensão (esticar e dobrar o quadril).

A bursite isquiática é mais frequente em pessoas que permanecem sentadas durante muito tempo e em superfícies duras. Os doentes mais obesos que perdem peso de uma forma repentina e reduzem a proteção gordurosa (nas nádegas) estão mais suscetíveis à inflamação da bursa isquiática.

A bursite pode também surgir na sequência de algumas doenças reumáticas (artrite reumatóide, gota, lúpus, artrite psoriática, etc.), embora também seja pouco frequente como manifestação primária.

bursite do quadril

O diagnóstico das bursites no quadril é feito, essencialmente, pela avaliação clínica. O médico ortopedista após recolher a história clínica irá observar o doente. Através da localização da dor, entre outros, o médico poderá diagnosticar a bursite. Exames auxiliares como ultrassonografia e ressonância podem ser pedidos.

Tratamentos

A maioria das bursites da anca é de causa não infecciosa (assépticas), então o tratamento consiste nos seguintes procedimentos:

  • Medidas Gerais – a primeira medida para a recuperação é realizar repouso. Sendo assim, terá de parar de praticar esportes ou trabalhos que agravem os sintomas, durante 3-4 semanas. Redução de peso e uso de calçado adequado para atividades esportivas. Devem evitar subir / descer planos inclinados (montanhas, colinas, escadas) e não realizar pressão direta no quadril afetado (dormir para o outro lado). No caso dos esportistas, o treino pode ser substituído por outras atividades de manutenção que não exijam ou minimizem o esforço nos quadris.
  • Gelo – fazer a aplicação de gelo (frio) na região afetada permite auxiliar na redução da inflamação e diminuir as dores. Poderá aplicar uma bolsa de gelo caseiro enrolado numa compressa ou num pano (toalha por exemplo), para não queimar a pele, durante 15 minutos. Poderá, mais tarde, voltar a colocar o gelo durante mais 15 minutos, repetindo este processo 4-6vezes por dia.
  • Medicação anti-inflamatória – os medicamentos (ou remédios) anti-inflamatórios não-esteróides (AINE’s) possibilitam aliviar a dor e o edema (inchaço). Para prevenir alguns desses efeitos adversos, o médico poderá associar-lhe um protetor gástrico. Podem também ser usados anti-inflamatórios na sua forma tópica, para a aplicação de pomada na região afetada.
  • Injeções de cortisona – a infiltração de cortisona na sua forma injetável (injeção) consiste numa forte medicação anti-inflamatória.

Fisioterapia

O tratamento fisioterapêutico consiste num conjunto de procedimentos muito importantes na redução da inflamação e alívio da dor na anca. O fisioterapeuta pode realizar ultrassons, massagens com gelo ou técnicas de estimulação para melhorar a cicatrização. São recomendados alguns exercícios específicos de modo a permitir fortalecer os músculos das pernas. A terapia de ondas de choque extracorporal são uma técnica que permite emitir impulsos (ondas de choque) de alta energia. Estas ondas geram uma espécie de “microtrauma” que permite beneficiar o processo de cicatrização natural da bursa inflamada.

>>> Protocolos de Fisioterapia para quadril >>>

>>> Tratamento com Ortotripsia – ondas de choque >>>

Drenagem cirúrgica

Ou bursectomia consiste na remoção do saco da bursa infetado (bursectomia), através de uma pequena cirurgia (ou operação) também pode ser necessário. No entanto, a necessidade deste recurso é raro, sendo utilizado nos casos infecciosos.

Muito bom! Você leu todo o conteúdo. Gostou? Divulgue para seus amigos(as) e deixe um comentário ou dúvida aqui 
Dica Especial
clínica salus trata

Agende uma consulta!

Descubra nossos protocolos de tratamento eficazes e sem cirurgia, baseados em exame clínico detalhado, análise computadorizada da marcha e corrida e mais de 60 trabalhos científicos.

Consultórios

HORÁRIOS DE ATENDIMENTO

Segunda à Sexta em horário comercial

Veja a agenda clicando aqui

Ver todos os Artigos