Osteoporose

osteoporose

Osteoporose é uma doença metabólica, sistêmica, que acomete os ossos. A prevalência da osteoporose, acompanhada da morbidade e mortalidade de suas fraturas, aumenta a cada ano. Estima-se que com o envelhecimento populacional na América Latina, o ano de 2050, quando comparado a 1950, terá um crescimento de 400% no número de fraturas de quadril para homens e mulheres entre 50 e 60 anos, e próximo de 700% nas idades superiores a 65 anos. Estima-se que a proporção da osteoporose para homens e mulheres seja de seis mulheres para um homem a partir dos 50 anos e duas para um acima de 60 anos. Aproximadamente uma em cada três mulheres vai apresentar uma fratura óssea durante a vida.

Envelhecimento

A osteoporose é muito associado ao envelhecimento, uma vez que com o passar dos anos o organismo perde progressivamente a sua capacidade em metabolizar e absorver o cálcio, por exemplo. No entanto, alguns hábitos de vida também podem influenciar na ocorrência da osteoporose, como o sedentarismo, mal-alimentação e o consumo de bebidas alcoólicas.

>> Tratamento para Fratura do fêmur proximal >>>
>>> Tratamento para Fratura do punho >>>

Nas mulheres, esse desequilíbrio desponta a partir dos 35 anos de idade. As mudanças hormonais que acompanham a menopausa interferem de forma decisiva na perda e ganho de massa óssea.

Nos homens, as fraturas osteoporóticas costumam ocorrer após os 70 anos, embora venha aumentando nos últimos anos o risco de quebrarem um osso já a partir dos 50 anos.

A cada três meses, 10% do esqueleto se renova.

Fisiologia

A estrutura do nosso esqueleto vive em constante renovação. Ganhamos massa óssea até os 20 anos de idade e perdemos com maior velocidade depois dos 40. Dois tipos de células – os osteoclastos e os osteoblastos – estão envolvidos no ciclo de renovação dos ossos. Os osteoclastos promovem a absorção de minerais, eliminando áreas de tecido ósseo e criando umas cavidades.

Os osteoblastos, por sua vez, são encarregados de preencher essas cavidades, produzindo ossos novos. Para isso, usam o cálcio, absorvido com a ajuda da vitamina D.

Como qualquer outro tecido do nosso corpo, o osso é uma estrutura viva que precisa se manter saudável, e isso acontece mediante a remodelação do osso velho em osso novo. A osteoporose ocorre quando o corpo deixa de formar material ósseo novo suficiente, ou quando muito material dos ossos antigos é reabsorvido pelo corpo – em alguns casos, pode ocorrer as duas coisas. Se os ossos não estão se renovando como deveriam, ficam cada vez mais fracos e finos, sujeitos a fraturas.

Fatores de Risco

  • Mulheres e homens orientais correm mais risco de sofrer fraturas pela osteoporose, por um problema anatômico no fêmur
  • História familiar de osteoporose
  • História prévia de fratura por trauma mínimo
  • Tabagismo
  • Baixa atividade física
  • Baixa ingestão de cálcio
  • Baixa exposição solar
  • Alcoolismo
  • Imobilização
  • Ausência de períodos menstruais (amenorreia) por longo período
  • Baixo peso corporal.

Sintomas

A osteoporose é, na maioria das vezes, assintomática, no entanto pode ser notada por meio da fratura que algum osso após um leve impacto, por exemplo. Além disso, pode ser indicativo de osteoporose a diminuição da estatura em 2 ou 3 centímetros e a presença de ombros caídos ou de corcunda.

  • Dor ou sensibilidade óssea
  • Diminuição de estatura com o passar do tempo
  • Dor na região lombar devido a fraturas dos ossos da coluna vertebral
  • Dor no pescoço devido a fraturas dos ossos da coluna vertebral
  • Postura encurvada ou cifótica.

Causas

A osteoporose é uma doença muito relacionada com o envelhecimento, sendo mais comum nas mulheres após os 50 anos devido à menopausa. Outras causas que podem favorecer a osteoporose são:

  • Disfunção da tireoide;
  • Doenças autoimunes;
  • Deficiência de cálcio;
  • Sedentarismo;
  • Alimentação pobre nutricionalmente;
  • Tabagismo;
  • Alcoolismo;
  • Deficiência de vitamina D.

Essas situações fazem com que o organismo não funcione da maneira adequada, havendo um desequilíbrio entre a formação e a destruição óssea, tornando os ossos frágeis e com maior probabilidade de fraturas.

fragilidade óssea

O primeiro estágio, chamado osteopenia, tem início com o desequilíbrio entre as células de absorção e de regeneração.

Diagnóstico

A partir da avaliação dos sintomas, o médico pode indicar a realização de um exame de imagem que indica a perda de massa óssea, a densitometria óssea. Esse exame pode ser realizado anualmente ou a cada 2 anos após o diagnóstico da osteoporose para ajuste da dose do medicamento. Nos estágios mais graves, pode ser observado na radiografia a perda de massa óssea.

Além desses, o médico pode pedir outros exames para fazer o diagnóstico de causas secundárias da osteoporose, como dosagem de creatinina e dosagem de testosterona e estrogênio.

Em geral, a perda óssea ocorre gradualmente com o passar dos anos. Na maioria das vezes, a pessoa irá sofrer uma fratura antes de se dar conta da presença da osteoporose. Quando isso ocorre, a doença já se encontra em um estado avançado, e o dano é grave.

Tratamento

A primeira tentativa de conter a perda de massa óssea é feita com o ajuste da dieta para que haja ingestão adequada de cálcio e vitamina D. Se os alimentos não forem suficientes, indica-se suplementação, principalmente na fase de osteopenia, associado com exercícios físicos.

Entretanto, uma vez que a osteporose está instalada, o aporte dessas substâncias via de regra é insuficiente, mesmo quando aliada aos exercícios físicos. Não que esses hábitos devam ser deixados de lado, mas eles provavelmente ganharão o reforço de medicamentos.

Os remédios podem melhorar a resistência do osso ao impedir a degeneração e incentivar a reconstrução. Uma das classes mais utilizadas nesse sentido é a dos bifosfonatos, com eficácia constatada no aumento da massa óssea da coluna e do quadril.

Mais recentemente, surgiram medicamentos biológicos que desaceleram o ritmo de degradação dos ossos. Com isso, o esqueleto consegue se regenerar, o que evita fraturas. A escolha entre um e outro fármaco depende de cada caso.

dor nos ossos

Exercícios físicos são essenciais na prevenção e tratamento.

Prevenção

A ingestão de cálcio é imprescindível para a renovação óssea: o ideal é 1 000 miligramas por dia – o equivalente a quatro porções lácteas. Embora outros alimentos também tenham alto teor de cálcio, como como brócolis e folhas verde-escuras, o nutriente é mais abundante em leite e derivados.

A vitamina D é importante nesse processo. Sem ela, a absorção do mineral fica prejudicada. A recomendação é de 400 e 600 miligramas diários dessa vitaminas. Como poucos alimentos são ricos no nutriente, o banho de sol é a solução – com 15 minutos diários, sem protetor, a vitamina D chega ao intestino e ajuda a incorporar o cálcio.

Exercícios físicos de impacto, que estimulam a formação de massa óssea, também são imprescindíveis. E fora que estimulam o ganho de massa e força muscular, um fator importante na prevenção das quedas.

>>> O que é Sarcopenia >>>

Dicas

  • Praticar exercícios físicos de forma regular como caminhar, dançar, fazer hidroginástica ou pilates;
  • Expor-se diariamente ao sol, por pelo menos 15 minutos, para estimular a produção de vitamina D;
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas e fumar;
  • Consumir a quantidade de cálcio recomendada por dia, cerca 1200 UI.

>>> Exercícios para Fortalecimento no idoso >>>

Além disso, é importante diminuir o risco de fraturas por meio da retirada de mobílias e tapetes desnecessário da casa.

>>> Guia para Prevenção de quedas >>>

Muito bom! Você leu todo o conteúdo. Gostou? Divulgue para seus amigos(as) e deixe um comentário ou dúvida aqui 
clínica salus trata

Agende uma consulta!

Descubra nossos protocolos de tratamento eficazes e sem cirurgia, baseados em exame clínico detalhado, análise computadorizada da marcha e corrida e mais de 60 trabalhos científicos.

HORÁRIOS DE ATENDIMENTO

Segunda à Sexta em horário comercial

Veja a agenda clicando aqui

Deixe uma avaliação!