Condropatia patelar: causas e tratamentos

condropatia patelar

condropatia patelar

O que é a condromalácia ou condropatia patelar?

Condropatia Patelar ou Condromalácia é uma doença que acomete os joelhos com muita frequência. O termo condromalácia significa “amolecimento da cartilagem” ou condropatia incipiente da patela.

Ela ocorre por um excesso de pressão entre a cartilagem da tróclea femoral e a cartilagem da patela. Já o termo condropatia se refere à cartilagem doente. Essa patologia normalmente provoca dor na parte da frente do joelho e estalidos, principalmente quando a pessoa se agacha, corre, se levanta da cadeira ou sobe e desce escadas.

>>> Sobre a Cartilagem >>>

Fortes pontadas nos joelhos ao dirigir, subir e descer escadas ou ao agachar para pegar objetos. Estes são os desagradáveis sintomas tão comuns para boa parcela da população e provocados pela condromalácia patelar, síndrome da dor patelofemoral e joelho de corredor.

São muitos os nomes dados à condropatia patelar. Essa lesão é confundida muitas vezes com a inflamação dos tendões do joelho. Provocada pelo desgaste das cartilagens da patela e troclea.

A patela é o osso mais saliente do joelho em contato com o fêmur (troclea). A doença é bastante comum no público feminino e em corredores. A cartilagem da patela é um tipo de tecido que recobre toda a articulação, o qual é muito rico em água e proteínas flexíveis. Sendo assim, o seu propósito é de ser capaz de absorver, transmitir e dispensar energia cinética. 

Então, à medida que a articulação se move, a cartilagem auxilia a amortecer os ossos, permitindo que ele deslize de forma suave, um contra o outro. Ao fazer o movimento de extensão e flexão, a patela acaba por deslizar sobre um tipo de trilho ósseo do fêmur, chamado troclea. Em vista disso, as lesões na cartilagem acabam sendo bem comuns, também. Por essa razão, a condromalácia é a principal causa de dor crônica anterior do joelho.

condromalácia ou condropatia

Como surge a condropatia?

Dr. Márcio Silveira: Ortopedista Especialista em Traumatologia Esportiva, Joelho - Adulto e Infantil - e Idoso condropatia patelar

Existem vários fatores que devem ser levados em conta no surgimento da condromalácia. Um deles é a fraqueza da musculatura dos glúteos, que faz com que a pelve fique caída e sobrecarregue os joelhos. A sobrecarga faz com que os joelhos tendam a ficar para dentro. Enquanto a patela deveria ficar encaixada no fêmur, a patela fica deslocada para lateral, o que causa o desgaste da cartilagem.

Conheça sobre a instabilidade fêmoro-patelar >

Dr. Márcio Silveira: Ortopedista Especialista em Traumatologia Esportiva, Joelho - Adulto e Infantil - e Idoso condropatia

Existe as alterações genéticas que provocam patela alta ou troclea rasa que também reduz a estabilidade patela. Além da causa genética, principalmente em mulheres, uma das razões para o aparecimento da condropatia é o uso inadequado de aparelhos de ginástica. No exercício de leg press é muito comum, que exige força excessiva aplicada na patela. Se o joelho estiver com alguma lesão, as dores aparecerão.

Descrita como uma ardência ou pontada ao ficar com o joelho flexionado por longos períodos, mesmo sem forçá-lo, a doença pode provocar também crepitação e estalos, muitas vezes audíveis.

Dr. Márcio Silveira: Ortopedista Especialista em Traumatologia Esportiva, Joelho - Adulto e Infantil - e Idoso condropatia condromalacia patelar

Causas da Condropatia Patelar

A condromalácia ou condropatia patelar pode predispor a artrose. Os fatores mais comumente relacionados ao amolecimento e posterior desgaste da cartilagem são fatores histológicos, que podem predispor ao desgaste; fatores anatômicos ou estruturais, que comprometem o encaixe da patela com o fêmur, alterando as áreas de contato entre os dois ossos e também fatores biomecânicos, como desequilíbrio ou fraqueza muscular e o déficit do controle dos membros inferiores que, de forma dinâmica, também resulta na alteração do encaixe entre a patela e o fêmur.

>>> O que acarreta o Valgo dinâmico >>>

Sobre a articulação patelofemoral chegam a passar cargas que vão de 3 vezes o peso do corpo, como ao subir e descer uma escada, até 10 vezes o peso do corpo, como durante atividades mais vigorosas como a corrida. Sendo assim, quanto a congruência (o encaixe) da articulação é alterada, essas cargas que passam pelo joelho durante os movimentos do dia a dia são concentradas e absorvida em áreas menores, o que aumenta consideravelmente a pressão em apenas alguns pontos da patela.

Essa sobrecarga em pontos específicos, com o passar do tempo, passa a gerar consequências na estrutura do tecido condral, resultado em amolecimento e posteriormente até fissuras. Esse quadro é agravado e pode acontecer de forma ainda mais precoce em casos de prática de esporte de alto impacto ou mesmo de musculação mal orientada.

Diagnóstico

O diagnóstico da condropatia patelar é essencialmente clínico, ou seja, guiado pela história do paciente e exame físico. Os exames de imagem, como radiografia e ressonância magnética, auxiliam na identificação de anomalias anatômicas e também na localização e gradação da lesão, que determina a gravidade e extensão do problema.

Sinais e Sintomas

É importante lembrar que a condropatia patelar nem sempre é sintomática. Porém, quando o paciente apresenta sintomas, normalmente estes se caracterizam por dor na região anterior do joelho, mais especificamente em volta ou mesmo atrás da patela, de início lento.

Os sintomas mais frequentes da condropatia patelar são:

  • dor ao dobrar e esticar o joelho;
  • dor ao subir e descer escadas e ao agachar;
  • instabilidade do joelho (entorse frequente);
  • dor ao permanecer com o joelho flexionado por muito tempo;
  • crepitações articulares (estalidos e sensação de areia dentro do joelho).

A dor tende a surgir ou aumentar durante atividades do dia a dia que envolvem descarga de peso como: subir e descer escadas ou rampas, muito tempo de pé, uso prolongado de salto alto, agachar, saltar e correr ou pode surgir também que o indivíduo passa longos períodos sentado com o joelho dobrado (sinal do cinema).

É comum observar que o surgimento da dor na condropatia patelar está atrelado ao início de uma atividade física como corrida ou musculação. Outro sintoma frequente é a presença de ‘’barulhos’’ (estalidos ou também chamados de crepitações) provenientes do joelho, que ocorrem principalmente ao agachar e levantar, que podem estar, ou não, acompanhados por dor.  Eventualmente o joelho incha após atividades mais vigorosas ou após a prática esportiva.

A condropatia patelar é classificada basicamente em quatro graus, que estão divididos em níveis progressivos de gravidade.
Grau 1: fibrilação e amolecimento da cartilagem, conhecido como condromalácia (condropatia incipiente)
Grau 2: comprometimento de até 50% da espessura da cartilagem. Aparecimento de crepitação patelar aos esforços.
Grau 3: 50%-75%. Usar salto, subir e descer escadas e praticar esportes de impacto podem torna-se sintomáticos.
Grau 4: . mais de 75% e acometimento do osso subcondral. As dores nessa fase podem ser incapacitantes.

Tratamento da Condropatia Patelar e Condromalácia

O tratamento da condromalácia varia de acordo com o grau do problema do paciente. Mas, na maior parte das vezes, inclui medicamentos e fisioterapia. Entretanto, o tratamento costuma ser demorado, o qual pode levar de 6 a 12 semanas para o início de sinais de melhora. No caso de dor intensa, a melhor coisa a se fazer é que o paciente fique em repouso, use gelo ou joelheira.

Os remédios são usados para auxiliar no tratamento da condromalácia, retirando a dor. O principal tratamento é a correção do movimento, para que a patela não fique sobrecarregada durante sua execução. Essa reeducação é feita na fisioterapia e na academia. Necessita da prevenção do valgo dinâmico, a melhora da musculatura do quadril e dos músculos do tronco (axial ou core).

É preciso lembrar que as alterações entre o tornozelo e o quadril interferem diretamente no joelho.

>>> Análise Tridimensional do Movimento >>>

Tratamento farmacológico para condropatia patelar (realizado apenas quando indicado pelo médico). Medicações analgésicas e anti-inflamatórias, e até a viscossuplementação com ácido hialurônico (infiltração no joelho).

>>> Para que serve a Viscossuplementação >>>

Fisioterapia e a correta orientação de exercícios físicos, com o objetivo de reestabelecer o equilíbrio muscular dos grupos que rodeiam o joelho – quadríceps, musculatura posterior da coxa, panturrilha e glúteo,  são fundamentais no tratamento da condropatia patelar. Pode-se utilizar joelheiras ao realizar atividades com estresse sobre a região patelo-femoral, para estabilizar a patela e melhorar a propriocepção.

>>> Exercícios para Fortalecimento muscular >>>

Fisioterapia na condropatia patelar

Dr. Márcio Silveira: Ortopedista Especialista em Traumatologia Esportiva, Joelho - Adulto e Infantil - e Idoso Correcao Biomecanica Resolve Condromalacia

O tratamento visa promover ganho de força e flexibilidade muscular, oferecer maior estabilidade articular, melhorar a consciência corporal do paciente, reduzir a dor e a inflamação e garantir um retorno às atividades de forma adequada, com uma total reabilitação.

Biomecânica do movimento patelar >

Analgesia

Pacientes em uma fase aguda podem não conseguir realizar os exercícios propostos. Por isso, nesse momento é importante reduzir a dor e o edema no joelho afetado.

Algumas opções de analgesia são: o TENS, o ultrassom (em uma fase subaguda ou crônica), a crioterapia e a terapia manual.

Alongamento

É fundamental para oferecer maior ganho de flexibilidade às fibras musculares, além de amplitude de movimento. É possível realizá-lo de forma passiva ou ativa, porém sempre deverá ser feito um alongamento global da musculatura.

Nos casos de condropatia patelar com ângulo Q aumentado (joelho valgo) é preciso uma atenção maior aos músculos:

  • quadríceps;
  • adutores e abdutores;
  • ísquios tibiais;
  • trato iliotibial;
  • glúteos médio e máximo.

Dr. Márcio Silveira: Ortopedista Especialista em Traumatologia Esportiva, Joelho - Adulto e Infantil - e Idoso tratamento para condromalacia patelar

Fortalecimento muscular

O fortalecimento de toda a musculatura envolvida é um dos pontos fundamentais de qualquer tratamento para a condropatia patelar. Mas é importante que o fisioterapeuta faça uma análise global do paciente e não apenas do seu joelho.

Os músculos que devem ter maior atenção no tratamento são:

  • glúteo médio e máximo: ajudam a oferecer uma maior estabilidade ao quadril e à articulação do joelho, evitando o valgo dinâmico em atividades que exigem o apoio em um pé só;
  • quadríceps: com atenção especial ao vasto medial, responsável por equilibrar as forças que agem na patela, reduzindo a lateralização, além de recuperar a potência do membro inferior.

Conheça o exame do movimento e da marcha >

Alguns exercícios que podem ser realizados para esses objetivos são:

  • ativos livres sem ou com carga, com o paciente em pé, sentado ou deitado;
  • ativos resistidos, com resistência causada por aparelhos, elásticos ou força manual;
  • isométricos com carga ou sem, com o paciente sentado ou deitado;
  • exercícios combinados de propriocepção e de força;
  • mecanoterapia, tendo atenção à angulação.

O movimento patelar na condropatia >

Sempre iniciar os exercícios com opções de baixo impacto e em um ritmo leve. O nível de dificuldade deverá ser aumentado aos poucos, de acordo com o grau da lesão e a evolução demonstrada pelo paciente.

Fortalecimento muscular na condropatia patelar

Dr. Márcio Silveira: Ortopedista Especialista em Traumatologia Esportiva, Joelho - Adulto e Infantil - e Idoso fortalecimento na condropatiapatelar

 

Não faça nenhum exercício com dor.
Não dobre o joelho mais de 70° quando colocar carga.
Importante, também, condicionar a musculatura adutora e abdutora.
Sempre trabalhe o alongamento, principalmente da musculatura posterior da coxa.
Nas atividades aeróbicas, opte por terrenos planos, sem inclinação.
Inicie na fisioterapia especializada >

 

 

Dr. Márcio Silveira: Ortopedista Especialista em Traumatologia Esportiva, Joelho - Adulto e Infantil - e Idoso Joelho1

Em exercícios de cadeia cinética aberta, a força é maior na flexão de 90 graus até 0 zero grau na extensão, porque o centro de gravidade fica à frente do joelho e, nestes ângulos, a área de contato entre a patela e o fêmur diminui. Até 30 graus o ângulo de força é muito pequeno e não gera estresse alto na articulação femoropatelar. Portanto, para indivíduos com condromalácia, deve ser utilizado exercícios em cadeia cinética aberta entre 0 e 30 graus e 60 e 90 graus. A pressão máxima está em torno de 35 a 45 graus, onde a angulação é maior.

No exercício de cadeia cinética fechada  ocorre co-contração dos ísquios tibiais provocando aumentando a pressão na patela a partir do ângulo de 60 graus, porque faz com que a tíbia movimente-se posteriormente e rode para a parte lateral, . Os exercícios de cadeia cinética fechada, para quem tem condropatia, devem ser feitos próximo de 50 graus, entre 10 graus e 70 graus. A pressão máxima aumenta entre a patela e o fêmur em 90 graus, pois é a partir deste ponto que a cartilagem é mais espessa.

Dr. Márcio Silveira: Ortopedista Especialista em Traumatologia Esportiva, Joelho - Adulto e Infantil - e Idoso contato patelotroclear

Instruções de como fazer o fortalecimento em casa, clicando aqui.

Evite estas atitudes no seu dia a dia, veja clicando aqui.

Biomecânica da articulação patelo-femoral, veja clicando aqui.

Exemplo de esquema de exercícios para iniciar equilíbrio muscular em academia:

Dr. Márcio Silveira: Ortopedista Especialista em Traumatologia Esportiva, Joelho - Adulto e Infantil - e Idoso fortalecimento joelho

Trabalhar alongamento e exercícios dinâmicos para o quadril e joelho

Dr. Márcio Silveira: Ortopedista Especialista em Traumatologia Esportiva, Joelho - Adulto e Infantil - e Idoso academia condropatia

Exemplo para academia

Pilates

O Pilates age promovendo o alinhamento da patela e melhorando o equilíbrio muscular de todo o corpo do aluno. Nos casos específicos de condropatia patelar é possível pensar em treinos com exercícios de alongamento e mobilização, potência e força do membro inferior.

Saiba mais sobre pilates >

De forma geral, é essencial promover o alongamento dos ísquios tibiais, além de dar uma atenção especial ao quadríceps, aos glúteos e as panturrilhas (tríceps sural).

Bandagens ou Kinesiotaping

Podem auxiliar no tratamento, já que a fita em contato com a pele oferece estímulos sensoriais importantes, capazes de melhorar a comunicação com os tecidos profundos, além de ativar os mecanorreceptores que ficam na derme e na epiderme.

Esses receptores são os responsáveis por informar sobre eventos capazes de afetar a biomecânica do movimento, corrigindo as questões.

Com esse método, pode-se conseguir: redução da sensação de desconforto e da dor, correção de desvios articulares, aumento da propriocepção e auxílio na contração muscular.

Liberação miofascial

A liberação miofascial busca promover o relaxamento dos pontos de tensão da musculatura causados por alterações na fáscia. Quando o fisioterapeuta realiza a pressão, ocorre uma isquemia; ao retirar a pressão, o fluxo de sangue no local aumenta, melhorando a oxigenação e promovendo o relaxamento muscular e o alívio da dor.

Essa técnica pode ser usada para melhorar a flexibilidade e a mobilidade articular, garantindo uma execução mais adequada dos movimentos, além de reduzir a sobrecarga e a tensão da musculatura na articulação.

Tratamento cirúrgico para condropatia

O tratamento cirúrgico desta patologia é uma exceção, realizado em casos específicos. A melhor técnica será estabelecida pelo cirurgião após a análise do caso. Em geral é feito um realinhamento do mecanismo extensor do joelho, para distribuir melhor a carga sobre a cartilagem patelo-femoral.

>>> Saiba mais sobre dor na frente do joelho >>>  
>>> Saiba mais sobre a Instabilidade fêmoro-patelar >>>

Tratamento especializado e individualizado em Brasília / DF:

Condropatia patelar no joelho de mulheres e atletas

A maior incidência de condromalácia ou condropatia patelar é no sexo feminino e isso possivelmente se dá por fatores estruturais e fisiológicos.

O fato da pelve das mulheres ser mais larga que a dos homens, faz com que os seus joelhos sejam levemente mais projetados para dentro. Isto pode alterar o encaixe da articulação patelofemoral e consequentemente gerar sobrecarga, principalmente na região lateral da patela.

A estrutura física da mulher ser diferente do homem, como apresentar uma maior elasticidade muscular e ligamentar. Além disso, as mulheres estão expostas a alterações hormonais e a hábitos de vida diária como o uso do salto alto.

>>> Conheça os sintomas da Artrose no joelho >>>
>>> Uso de suplementos na condropatia >>>

Somente em atletas?

Atualmente já se sabe que a condropatia patelar é uma doença presente também em indivíduos sedentários ou minimamente ativos, devido a fraqueza muscular e aumento de peso corporal sobrecarregando as articulações do joelho. Contudo, por muito tempo essa doença foi relacionada apenas à atletas. Isto porque o nível de sobrecarga que esportes de alto rendimento geram em articulações de suporte de peso são imensos.

Perguntas frequentes

Condropatia incipiente na patela2022-11-05T23:10:38-03:00

Doença nos estágios iniciais, que chamamos de condropatia incipiente.

Não é causa de dor ou limitação, sendo somente um sinal para iniciar os cuidados.

Como curar a condropatia?2023-05-15T12:06:19-03:00

A condromalacia, também chamada de condropatia patelar, é um desgaste da articulação do joelho que não tem cura. Como manifesta-se através de sintomas de dor profunda no joelho e à volta da rótula ao realizar determinados movimentos, o tratamento é feito com anti-inflamatórios, fisioterapia, redução de peso e exercícios regulares. O objetivo é retirar os sintomas e evitar a progressão do desgaste da cartilagem patelofemoral.

Como melhorar condropatia patelar?2023-06-11T00:05:05-03:00

Condromalácia patelar: seis dicas para interromper as dores no joelho:
  1. Manter um peso saudável. Manter o peso é essencial para prevenir as dores da condromalácia patelar.
  2. Compressas geladas.
  3. Sentar com as pernas mais esticadas.
  4. Praticar exercícios.
  5. Evitar escadas.
  6. Escolher bem os sapatos.
Como é a cirurgia de condropatia patelar?2023-06-11T00:04:39-03:00

Não tem cirurgia para a condropatia patelar. Em casos com lesão osteocondral na faceta lateral da patela, lesões osteocondrais localizadas ou soltura de cartilagem focal, existem opções de tratamentos com operação.

O que causa a condropatia patelar?2020-03-21T19:38:38-03:00

A condromalácia patelar é causada especialmente pelo enfraquecimento do músculo quadríceps, localizado na parte da frente da coxa e pelo formato do joelho do indivíduo ou pelo posicionamento do seu pé. Estas condições quando associadas ao excesso de peso e ao esforço repetitivo são as maiores causadores da doença.

[jetpack-related-posts]

2024-02-14T10:48:28-03:00

Sobre o Autor:

Dr. Márcio R. B. Silveira, formado em 2006 pela faculdade federal de medicina da Universidade de Brasília (UnB), com especialização, no ano de 2009, em Traumatologia e Ortopedia pela residência da SES / DF, com subespecialização, no ano de 2012, em cirurgia do joelho e trauma esportivo em Belo Horizonte / MG, acompanhando os médicos do Cruzeiro Esporte Clube nos hospitais Maria Amélia Lins, Lifecenter, Belo Horizonte, Belvedere e João XXIII. Médico ortopedista especialista em Traumatologia com foco em Esportiva (ombro, quadril, tornozelo, pé, cotovelo), Cirurgia do Joelho, Adulto e Infantil, e Ortopedia do Idoso em Brasília / DF.

9 Comentários

  1. Marta Soares 18 de setembro de 2018 em 21:33- Responder

    Gostei muito da matéria. É bem esclarecedora para quem está passando por esse problema. Deus realmente pra tirar minhas dúvidas. Espero melhorar logo desse joelho. Dói muito! Obrigada.

  2. Marcia Ramos 6 de março de 2019 em 08:43- Responder

    Gostei da matéria..tenho esses problemas..no joelhos que incomadam muito. Gostaria de saber onde o senhor atende

  3. drmarciosilveira 6 de março de 2019 em 09:00- Responder

    Olá Marcia, é um problema que tem tratamento. Atendo em Brasília – DF, na Clínica Salus Ortopedia https://www.salusortopedia.com.br/

  4. drmarciosilveira 3 de dezembro de 2019 em 07:41- Responder

    Que bom que foi útil, qualquer dúvida pode deixar aqui que tentarei responder.

  5. Rayane Rodrigues de Almeida 27 de agosto de 2020 em 09:23- Responder

    Bom dia.estava sentindo dores do lado do joelho. Fiz a ressonância,e já peguei o resultado. Pequena fratura subcontrantral no plato tibial lateral,com extenso edema ósseo e edema de partes moles adjacêntes sugerindo sobrecarga incipiente contropatia patelar pequeno cisto poplíteo. Dr me responda por favor meu trabalho e descer e subir escadas. O médico disse que não vou poder fazer mais nada.

  6. drmarciosilveira 28 de agosto de 2020 em 17:48- Responder

    Oi, Rayane, em geral esse tipo de laudo demonstra uma fratura de estresse, por sobrecarga ou trauma local. Não estou te examinando ou vendo o exame, estou julgando pelos tipos mais comuns. O tratamento é repouso de 2-3 meses, usando muletas e reabilitação com fisioterapia. Em geral retorna para as atividades que já fazia. Muito raramente pode ocorrer uma osteonecrose no local e aumentar a lesão, só que quando acontece, está associado a trauma grave. Veja esse artigo: https://traumatologiaeortopedia.com.br/esportiva/edema-osseo-o-que-e/

  7. Rayane Rodrigues de Almeida 29 de agosto de 2020 em 11:16- Responder

    Obrigada.estou de férias volto a trabalhar quarta feira. Conversei com a minha patroa para colocar alguém para subir e descer cachorro para mim.(trabalho no pet shop) ela disse que não tem possibilidade de colocar ninguém para ajudar. Não sei o que fazer se não posso subir escadas como vou fazer com o meu trabalho. Não sei o que fazer

  8. drmarciosilveira 29 de agosto de 2020 em 12:07- Responder

    Rayane, pelo seu laudo, o problema não é a condropatia, ela é leve, incipiente. O problema é a fratura subcondral, que demanda repouso, ou seja, atestado para ficar um período sem colocar o pé no chão, usando muletas. Tem de buscar um ortopedista da área para avaliar melhor e prescrever o tratamento adequado.

  9. Rayane Rodrigues de Almeida 29 de agosto de 2020 em 13:14- Responder

    Ok obrigada. Vou procurar o médico novamente. Porque o médico que viu a minha ressonância disse para eu não fazer nada pula correr e nem subi escadas. Só onde eu trabalho não tem como. Obrigada pelas informações vou ver com ele se ele me dar um atestado para ficar de repouso.

Deixar Um Comentário

Ir ao Topo